9.4.14

Cautela e caldos de galinha...



..., nunca fizeram mal a ninguém.

Os anos passam a uma velocidade imperceptível!
Na minha adolescência, assisti a algo de inacreditável para a época - o Benfica europeu, ainda com muitas das suas estrelas de 60, jogava os quartos-de-final da Taça dos Clubes Campeões Europeus contra o Ajax de Amsterdão. A 12/Fev-69, jogámos a 1ª mão na capital da Holanda num campo coberto de neve e ganhámos por 3-1 com uma excelente exibição. Nada fazia prever que uma semana depois e quinze dias mais tarde, uma hecatombe cairia sobre o Glorioso.
Muita euforia, vaidade e menosprezo pelo adversário apesar de terem havido alguns avisos à navegação, muito particularmente a referência à juventude e ao talento de diversos jogadores holandeses.
Euforia desmedida até à 2ª mão na Luz. Cá, os holandeses não estiveram com meias medidas e responderam com igual 3-1, com a equipa do Benfica de coração nas mãos a segurar-se com muita dificuldade no prolongamento, mantendo a eliminatória empatada. O impasse na Luz trouxe uma finalíssima realizada em Colombes, na Grande Paris, passados quinze dias. O Ajax, embalado e pleno de confiança, ganhou categoricamente por 3-0.
Nesse tempo, toda a Luz estremeceu com essa eliminação inesperada e humilhante. Despontava então, na equipa holandesa, um excepcional jogador - Johan Cruyff. Era o despertar de uma equipa que depois foi tri-campeã europeia!

Na semana passada, um repórter-jornalista perguntou em Alkmaar, a Jorge Jesus qual a sua previsão para o jogo com os locais, atendendo a que o Benfica não ganhava na Holanda há 45 anos..., esquecendo-se de lhe dizer que o Benfica acabou por perder essa eliminatória após ter uma vantagem fora, de dois golos...
Jesus, provàvelmente, sem sequer saber desta história exemplar, disse-lhe e bem que a eliminatória teria dois jogos e que não compreendia a pergunta...

Com a história de 1969, quero lembrar que o que será importante amanhã, é que não haja réplicas desse terramoto histórico que me causou muitos dissabores.
O sobressalto de há duas semanas com os ingleses do Tottenham foi um aviso sério de que qualquer jogo, qualquer eliminatória, não "estão no papo" com os primeiros noventa minutos.
É bom ter vantagem?
É. Mas só isso não garante coisíssima absolutamente nenhuma.

Portanto, haja quem alerte a equipa e os responsáveis do Benfica que se acautelem e joguem pelo seguro amanhã, ao fim da tarde.

GRÃO VASCO



3 comentários:

Anónimo disse...

por favour isso era o ajax o benfica tem mais ke obrigaçao de ganhar ao az alkmar com todo o respeito

Abelourinha disse...

Caro Grão Vasco, também me lembro desse jogo, é bom que tenhamos os pés bem assentes na terra, pois o AZ está carregado de jovens com muita força e alguma qualidade, e é comandado por um treinador já tarimbado nestas andanças, eles nada têm a perder e uma derrota agora podia ser o fim, mas eu acredito que Jejus já avisou as suas tropas para esta batalha com esta equipa dos Países Baixos.
Cumpts.

GRÃO VASCO disse...

Anónimo,

Da forma como escreves és novato nestas andanças.

Compreendo que, quando dizes que "o benfica tem mais ke a obrigaçao de ganhar ao az alkmaar com todo o respeito" esta tua frase equivalha a uma visão pouco experiente da vida e do futebol.
Aceito a tua observação exactamente por isso.

E tanto é assim, que se fosses cuidadoso no teu comentário, colocarias, como deveria ser tua obrigação, sim, porque isso que te vou dizer é que é uma "obrigação" - escreverias o nome de Benfica com a letra inicial maiúscula e deixarias de incluir o K no alfabeto português, pois "que" escreve-se como tu viste agora e não com um "k" e um "e".

O que eu te garanto é que não foi com fanfarronadas, convencimentos e "por favor", que o Benfica se constituiu como um grande clube à escala europeia e mundial.

Saudações
GV

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...