14.5.18

Vento e temperatura




As pérolas têm sido mais do que muitas.
Mas há pérolas e pérolas. E assim, acabámos ontem por assistir a mais uma conferência de imprensa deprimente, após uma derrota inapelável na Madeira, do grémio do lagartêdo, comandado pelo mestre da táctica.
Desculpas e mais desculpas esfarrapadas, atirando com a responsabilidade de mais um decisivo e enorme fracasso para os fenómenos climáticos. Desta vez foi a “temperatura durante os minutos em que decorreu o desafio que teve grande influência na prestação dos seus jogadores e consequentemente no resultado do jogo”, alegou mestre JJ num total destrambelho. Provavelmente, os jogadores maritimistas estavam com tamanha “febre” de golo que enfiaram dois ao Patrício Frangollo - ficando mais alguns por marcar - um desgraçado que a esta hora deve estar pelos cabelos nos bastidores do Fôsso. Talvez tivesse sido essa décalage de “temperatura” entre os seus pupilos e os ilhéus que acabou por fazer a diferença e enviar o lagartêdo para a competição menor da UEFA, colocando os seus adeptos à beira da catástrofe total.
Depois do “vento” na Amoreira, lá veio outra alteração ”climática”…

Semearam durante toda a época a canalhice, a podridão, a mentira, a ordinarice e colheram uma desgraça que nem os miseráveis perdões da enorme dívida aos bancos conseguem sublimar!
Caiu-lhes o céu em cima!
Fujam enquanto é tempo, que a casa está a arder!
Sem apelo nem agravo!

Mas JJ, durante a época, quando ondas alterosas fustigavam o seu Glorioso adversário, dizia com a fanfarronice que lhe está no sangue e enquanto ainda perseguia os corruptos azuis e broncos da Palermo portuguesa, que ao ocupar o segundo lugar na tabela classificativa “só olhava para cima” desprezando ostensivamente, quem com um esforço gigantesco lutava para não descolar dos dois da frente. Esses momentos não foram fáceis para todos os Benfiquistas, mas a perseverança e a crença em dias melhores, a sua infindável resiliência, permitiram a aproximação, ultrapassando os seus inimigos e atingindo mesmo a liderança.
A partir desse momento e como já é habitual, o mestre da táctica emudeceu, tentando compensar o seu progressivo insucesso com as artimanhas e justificações do costume, tais como as alterações climáticas, grande número de jogos, combate em todas as frentes estando em todas elas e quejandas.

No entanto, uma nova quebra do Glorioso, devido fundamentalmente a sérios factores limitativos, dos quais a lesão do grande goleador Jonas é o mais proeminente, veio proporcionar, a par de arbitragens habilidosas e encomendadas pelo lagartêdo do fôsso a sul e pelo putêdo do calor da noite a norte, ao inefável Fontelas Gomes, um novo avanço que postergava para terceiro o Glorioso de Portugal. Num derradeiro esforço, o Benfica arrancou uma exibição categórica no fôsso do lagartêdo, só não alcançando a vitória porque mais uma vez o árbitro resolveu, e desta vez foi o apitadeiro lagartinóide Xistra, meter a mão no cofre ao roubar-nos dois penaltys e um golo limpo!

E aqui, sim. Aqui veio outra vez à tona aquele fair play filho-da-puta em que o mestre da táctica é pródigo. Sabendo que o resultado – empate zero a zero - lhe garantia o segundo lugar e o acesso à fase preliminar da Champions League, logo ali mesmo deu a entender que a classificação estava no papo, esquecendo-se por completo de que havia, no fim-de-semana seguinte, umas cascas de banana à sua espera no Caldeirão dos Barreiros do Funchal, na Ilha da Madeira. As suas declarações pós jogo iam nesse sentido, dizendo que o segundo lugar era um mal menor.
Era a presunção a carburar em pleno. Só faltou a água benta para a decisão ter um tom absoluto. O segundo lugar já cá cantava, já estava no papo!

Assim, e sabendo que Rui Vitória não ficaria nem satisfeito, nem conformado com o empate a zero e que nunca se dirigiria a ele para o saudar e cumprimentar, tratou de, no final do desafio armar ao pingarelho e dirigindo-se para o local por onde os jogadores Benfiquistas faziam o seu trajecto de recolha ao balneário, foi abraçando tudo e todos os que encontrava pela frente, exibindo a sua pirosa faceta de magnânimo da hipocrisia, como querendo dizer, “honra aos vencidos, temos pena, mas já foram!

Mas o Destino para alguns ou o Divino para outros, escrevem muitas vezes direito por linhas tortas e num suspense digno de Hitchcock, dá-se no Caldeirão ilhéu, um golpe de teatro em tempo de compensações, com Patrício Frangollo a fazer jus ao apelido que tem – uma frangollada, veio ratificar uma derrota sem espinhas e a perda de um segundo lugar e que colocou logo JJ a pensar como, a partir daí para a frente, se poria a dar cordinha aos sapatos, numa casa a arder por todo o lado.

Ao longo dos tempos em que permanece no lagartêdo e desde que resolve hostilizar tudo o que é Benfica e fazer o jogo do Peidolas do Freixo e do Babalu da Coca, tem sido sempre assim. Nunca tem levado a melhor e o Benfica tem-no comido de cebolada e quase sempre na recta final.

Vamos lá ver se agora não aparece por aí o “El Niño”, fenómeno climático à escala planetária e com consequências devastadoras que varra de uma vez por todas o mestre de todas as tácticas e seu séquito, da ribalta do futebol indígena.
Mas a acontecer a enxurrada que leve também com ele, toda a corja do Fôsso que num incrível exercício de demência colectiva transformou o jogo da bola num execrável lamaçal em que eles próprios hão-de desaparecer.

Segundo os meteorologistas o tempo no Fôsso está muito instável e a qualquer momento o ciclone “Marítimo” pode atingir o seu grau máximo, o grau de catástrofe.

Aguardemos.

GRÃO VASCO



O que eu vi ontem...




Ontem vi (e ainda bem que vi!):

- Metade da estratégia da aliança do lagartêdo e putêdo cair por terra.

- Essa estratégia quebrar pelo lado mais fraco.

- O lagartêdo a escorregar nas cascas de banana da Ilha e a ser outra vez comido de cebolada acompanhada de tripas à moda corrupta como aperitivo.

- O mestre da táctica ser outra vez comido de cebolada.

- O mestre da táctica ser comido pelo seu discípulo.

- O mestre da táctica com o bolso cheio de notas e pronto para dar à sola.

- O avejão bernardeco ribeiro na cmtv com umas trombas de apanha-grão, pegando numa grande borracha e tentando apagar as bacoradas que debitou no seu pasquim desde a altura em que o Benfica empatou como seu clube de coração e passou para terceiro.

- O magalhães, colega de bernardeco, a cagar de joelhos e a engolir o que escreveu sobre o Glorioso.

- O varvosa da cruz a tentar descolar uma chicla do mestre da táctica agarrada aos seus tímbalos.

- O rui calafeteiro, uma alimária comunicacional a matutar, para tentar descalçar a bota dos seus ordinários e venenosos artigos de opinião anti-Benfica no pasquim das pêtas.

- O record das petas de luto.

- O octávio ribeiro a vomitar.

- O octávio lopes babando-se de desespero e raiva.

- O octávio machado a insultar o seu ex-chefe. Ele sabe do que fala.

- O jorge amaral, um analfabruto azul e bronco, a cantar mais um hino à imbecilidade e à estupidez, azedo com o Benfica.

- O fernando mendes a dizer – “deixa cá meter mais uma!”

- O pina besuntado de vaselina, de pernas (leia-se cú) para o ar e a ganir com mais uma encavadela.

- A besta do serrão a arrotar alarvidades ao fim de quatro anos de jejum, mas ressaibiado pelo segundo lugar do Benfica.

- O manuel tavares, uma das eminência pardas do grémio das putas a rir-se e a dizer para o chico“aquele nuno saraiva é um tanso do tamanho do fôsso do lagartêdo!”

- O nuno saraiva com uma caganeira mental de todo o tamanho e com aquela cabeçorra enfiada na sanita a gritar – “o mundo é cruel, o Benfica encavou-me! Ó chico marques ajuda-me que por este andar também vou passar a ser insolvente!”

- O fontelas gomes a balbuciar para os seus botões – “eu deveria ter nomeado o joão capela para o Marítimo/lagartêdo, crlh!”

- O burgesso do manuel sarilhos a gaguejar como nunca, sem saber o que dizer.

- O rui santos a esgalhar mais uma vez em sêco, numa ejaculação retrógrada, rindo-se de desespero e raiva, e cada vez mais pequenino a tentar sacudir a água do capote.

- O bruno carvalho a mirar o olho do cu, a dizer adeus ao segundo lugar, a tentar marcar uma nova cimeira com o seu inimigo de estimação, a mandar tudo novamente à bardamerda e a tentar arranjar uma credencial junto do seu médico para internamento gratuito num hospício próximo de casa, para continuar a fazer de maluco e a treinar o lançamento do cuspe para as próximas olimpíadas.

- uns bastardos benfiqueiros na blogosfera (especialmente no blogue anti-corrupção, insultando o Povo Benfiquista, chamando os adeptos de “idiotas” e insultando o Presidente do Benfica apelidando-o de “canalha”)  desesperados por o Benfica ter conseguido o segundo lugar na liga de futebol, partirem para a difamação.

Ontem vi todos estes cretinos completamente sodomizados pelo Benfica.

Mas há muitos, muitos mais!

Por último estou com grande curiosidade para ver o pára-quedista hélder amaral, esse enlatado politiqueiro, deputado de pacotilha e reles adepto do lagartêdo do fôsso após o descalabro de ontem na Ilhaa debitar as suas habituais pilhérias - a este "melro", se a imbecilidade pagasse imposto, o fisco já o teria intimado a pagar uma fortuna!
Não o conheça eu de ginjeira!

GRÃO VASCO



13.5.18

As miúdas não vão em cantigas…




Grandes miúdas!
E que Benfiquistas!
A foto expressa bem a vontade, a garra, a paixão de ser Benfica, de vibrar com os seus golos, a interacção com os adeptos e adeptas.
Hoje jogaram a final contra a Novasemente. Um jogo intenso em que a vitória foi o desfecho lógico de uma exibição de grande categoria.
A Taça, antes do mais, é delas. De um conjunto de miúdas que sabe o que faz e que joga futsal de alto quilate.
Esta imagem é de ontem, porque nesse jogo anterior à final jogaram de vermelho. Vermelho que lhes está no sangue e que lhes proporcionou a reviravolta contra o lagartêdo.
Hoje, na final, com o equipamento alternativo, mas sempre com o emblema sagrado ao peito, alcançaram brilhantemente mais um troféu.
Parabéns, miúdas!





O jogo foi transmitido pel’A Bola TV.
Uma única referência, sobre uns comentadores rascas e miseráveis, que nem a disfarçar, conseguiam deixar, a cada palavra, a cada frase sobre cada lance, de transparecer a sua parcialidade e o seu subliminar anti-Benfiquismo. PQP’s!

GRÃO VASCO




12.5.18

O aldrabão voltou…



BENFICA NEGA ENCONTRO ENTRE LUÍS FILIPE VIEIRA E BRUNO DE CARVALHO

«Quem mente compulsivamente chega a convencer-se da verdade das suas próprias mentiras»

Benfica nega encontro entre Luís Filipe Vieira e Bruno de Carvalho.

O Benfica divulgou este sábado um comunicado no site oficial a negar a existência do encontro relatado por Bruno de Carvalho na entrevista hoje publicada no jornal Expresso.

Ao semanário, o presidente do Sporting havia relatado um episódio ocorrido na garagem da Liga durante a época 2013/14. "Vocês ligaram alguma coisa quando o presidente do Benfica, na garagem da Liga, quis fazer um acordo em que ora ganhava ele ora ganhava eu? Foi numa reunião na Liga, em 2013/14, quando eles queriam expulsar o Mário Figueiredo. E depois acabei eu por levar um processo. Não há imagens disso, nas câmaras da garagem, porque eles [Liga] dizem que apagaram", afirmou.

Os encarnados negam que tal encontro tenha acontecido, acusando o presidente do Sporting de mentir. "O reiterar das mentiras só se compreende sabendo-se que quem mente compulsivamente chega a convencer-se da verdade das suas próprias mentiras, não se estranhando por isso os permanentes conflitos em que o presidente do SCP se envolve, inclusive com dirigentes, adeptos, técnicos e jogadores do seu próprio clube", pode ler-se no comunicado.


Leia o comunicado na íntegra:

"A Sport Lisboa e Benfica SAD desmente totalmente os factos e as declarações hoje relatadas pelo presidente do Sporting Clube de Portugal sobre um fantasioso e inventado encontro que teria tido com o Presidente do Sport Lisboa e Benfica.

Todo o teor da conversa, do pretenso acordo proposto e descrição dos acontecimentos são totalmente falsos, a exemplo do célebre telefonema que uma vez Bruno de Carvalho afirmou ter tido com o presidente do SLB, para mais tarde assumir perante os jornalistas que estava a ironizar.

O reiterar das mentiras só se compreende sabendo-se que quem mente compulsivamente chega a convencer-se da verdade das suas próprias mentiras, não se estranhando por isso os permanentes conflitos em que o presidente do SCP se envolve, inclusive com dirigentes, adeptos, técnicos e jogadores do seu próprio clube.

Por último, não deixamos de registar que estas declarações foram feitas numa entrevista a um órgão de comunicação social generalista, poucos meses após o célebre ultimato feito pelo presidente do SCP para que todos os responsáveis, atletas e adeptos do seu clube só falassem a órgãos de informação internos, dando assim mais uma prova da falta de credibilidade, seriedade, coerência e valor com que se deve encarar as suas intervenções e posições institucionais.

GRÃO VASCO



10.5.18

“Fé” no ódio e na hipocrisia e "profanação" de Santuário




No início desta semana, algures na EN 1, entre a Palermo portuguesa e Ourém, uma densa nuvem de pó pairava no ar, avançando para sul e ameaçando tornar-se num pequeno tornado. Pouco se vislumbrava, entretanto. Seriam obras de manutenção na via? Teria ocorrido algum acidente mais grave? Desflorestação? Aves migratórias? Praga de gafanhotos?

A notícia corria célere. Os peregrinos, oriundos de vários locais a norte e em trânsito para o maior centro de religiosidade católica do país, onde irão decorrer as celebrações do 13 de Maio, comentavam em surdina os rumores de que um bando de marginais, delinquentes, criminosos, desdentados, sifilíticos, sidosos, blenorrágicos, herpéticos, heroinómanos, cocainómanos, violadores, díscolos e proxenetas tinha recentemente abalado da Ribeira da Palermo portuguesa com destino a Fátima, em suposta “peregrinação”. Aquilo que em princípio mais parecia um boato ridículo ganhava cada vez mais maior credibilidade e consistência e a nuvem poeirenta era nem mais nem menos que o resultado de um movimento rotativo dos cachecóis azulados dos bandoleiros, estampados com um horroroso dragão comido pela traça mafiosa do Freixo que todos agitavam freneticamente numa descarga de ódio e pó sem precedentes, depois de terem ido buscá-los aos baús dos seus sótãos e após um desuso e um jejum de quatro anos.
Pouco depois, alguns devotos em passo acelerado confirmavam o boato – fugiam de uma turba ululante, pestilenta, camuflada em coletes reflectores amarelo-fluorescentes e bonés azuis e brancos feitos de tecido das barracas de praia cujos cânticos profanos indiciavam as suas intenções. Qual religião qual quê! Gritavam “slb, filhos-da-puta slb”, “nós só queremos ver lisboa a arder”, “ai quem me dera que o avião da chapecoense fosse do benfica”, assemelhando-se a perigosos dementes em fuga do hospital Conde de Ferreira. A fé no ódio e na hipocrisia medrava a cada passo, a cada metro que percorriam. A demência era tal, que iam agradecer à Santa pela roubalheira de o seu grémio corrupto ter vencido um campeonato de futebol repleto de trapaças, invasões, chantagens e ameaças, pelos sucessos dos assaltos às estações de serviço das auto-estradas, às lojas em Andorra, ao vandalismo em Málaga, às ameaças aos árbitros no centro de treinos da Maia e seus familiares em diversos locais do norte do país, pelo enriquecimento ilícito através da candonga dos bilhetes de futebol, pela impunidade perante juízes cúmplices, pelas violações consumadas, pelos êxitos no tráfico de droga e pelas sovas em qualquer lampião que se tivesse atravessado nos seus caminhos. Transportavam aos seus ombros mochilas de vigarice, de canalhice. A escumalha, despida de valores e princípios, deslocava-se como uma verdadeira besta demoníaca disfarçada com vestes angelicais.

A Santa corou. Os pastorinhos deram mil voltas nos seus mausoléus, o bispo da diocese prostrou-se de joelhos estarrecido com tamanho sacrilégio, o reitor do santuário apelou às autoridades suplicando segurança não fossem eles roubar a imagem da Virgem e a caixa das esmolas na Capelinha das Aparições para depois se pendurarem, saciados, nos galhos da oliveira centenária adjacente. Por fim, os peregrinos pararam por momentos as suas orações e implorando protecção divina, fecharam as suas bolsas antes que fosse tarde.

Os símios da Ribeira da Palermo portuguesa avançavam para o santuário…
A sua “fé”, mais uma vez, era ódio e hipocrisia.

GRÃO VASCO



7.5.18

Tudo farêlo da mesma saca



É caso para ter tido suores frios…
Depois da vergonhosa prestação durante todo o jogo de sábado no Fôsso do lagartêdo, em que evitou por todas as formas que o Benfica chegasse à vantagem, Xistra, já mesmo ao soar do gongo, sentiu um arrepio na espinha, não fosse o mexicano do Benfica, Raúl Jiménez, fazer de Jardel e aviar o lagartêdo. Foi tal o calafrio, que escandalosamente interrompeu o jogo, marcando falta de um jogador do lagartêdo sobre o seu próprio guarda-redes, o Patrício Frangollo.

Carlos Xistra foi sempre, ao longo da sua carreira de árbitro, um calhorda contra o Benfica. Estádios como os de Coimbra, Guimarães, Braga, Porto e mais alguns outros, fazem parte da longa lista dos roubos de igreja perpetrados ao Benfica como forasteiro, por este manhoso que em jovem envergava o célebre pijama alagartado do grémio que tantas vezes o fez chorar nas suas derrotas. O trauma ficou para sempre e hoje, logo que a oportunidade surge, lá está ele a descarregar as suas frustrações. Carlos Xistra acobardou-se em momentos-chave do jogo. Mas Hugo Miguel, outro rato de esgoto, não ficou atrás – calou-se, aVARiado da visão, nas suas funções de revisor de Xistra. Mais um estádio para a sua colecção de canalhices anti-Benfica, neste caso o Fôsso do lagartêdo, em Lisboa.
Uma vergonha, um nojo!
Nem sequer vou dar-me ao trabalho de descrever tanta bandalheira no decurso do jogo, em prejuízo mais que evidente do Benfica, pois muito já foi dito e escrito, mas aqui, não posso deixar de verberar o comportamento de um grupo de branqueadoras prostituídas da comunicação social anti-Benfica, que fazem dela, não um espaço transparente mas um chafurdo onde se espraiam besuntando-se de lama. Nesse chiqueiro podemos ver a quadrilha d’O Nojo encabeçada por coroado, faustino e marco ferreira do record das pêtas e o tarzan duarte gomes n’A BOLA, a banharem-se na merda da incompetência, da hipocrisia, da canalhice e da bandalheira.
Neste pântano movediço e corporativo atulhado de interesses e ambições pessoais que é a arbitragem e onde os euros também já pesam, ninguém se safa. Ou melhor, paradoxalmente todos tentam safar-se fazendo a vontade ao patrão Fontelas. E o caso mais flagrante deste modus vivendi foi antónio capela, em Tondela, que castigado com um longo período de abstinência apitadeira, sabia que para entrar novamente nos eixos teria de provar a Fontelas que estaria alinhado com as suas directrizes subliminares. Assim, mandando para as urtigas da serra do Caramulo o seu relógio que cronometrava o jogo entre os da casa e o lagartêdo, só ao fim destes marcarem o golo que lhes dava a vitória é que carregou nos botões e apitou para o seu final. Pareceu-me assisitir a um assalto sem o minímo de escrúpulos, onde tudo valeu para manter o lagartêdo com o pescoço de fora de água.

Os dirigentes do Benfica terão obrigatoriamente de rever e bem, neste defeso, a sua estratégia em relação à arbitragem, pois é confrangedor que no principal canal de comunicação do Clube se deixe dizer a alguns totós, entre outras barbaridades, que, por exemplo, artur soares dias é o melhor árbitro português da actualidade, já para não falar em outras aberrações sobre este tema protagonizadas por mais alguns inconscientes que ao fazerem o papel de madres de Calcutá julgam haver remissão das asneiras por parte dos apitadeiros e que se fará a paz com os anjos...

Enfim, quanto a árbitros é, infelizmente, tudo farêlo da mesma saca!   

GRÃO VASCO



6.5.18

Hoje, é o dia dos criminosos



Os festejos começaram ontem e vão prolongar-se por todo este domingo. Bêbeda de ódio, a corja corrupta azul e bronca rejubila.
A Palermo portuguesa entoa cânticos ordinários e miseráveis à vítima do maior crime de sempre cometido no futebol português. Os canalhas desdentados da Ribeira repuxam os gatilhos das suas armas e lançam fogachada para o ar. Os complexados provincianos azuis e broncos vestem as suas fardas feitas de tecido de barracas de praia e roncam "somos cáum piáum". O velho peidorreiro, não obstante o par de cornos que a neta lhe cravou outra vez, pede mamadas a outra e balbucia ironicamente mais uns grunhidos moribundos. Eis o fruta corrupção & putêdo em todo o seu esplendor em mais uma vitória trapaceira e criminosa do seu cadastro!
Os criminosos conseguiram o que queriam, num assalto sem precedentes em que vários protagonistas do mais reles que existe no submundo dessa urbe, coagiram, ameaçaram, molestaram, chantagearam, compraram, corromperam todos aqueles que se atravessaram no seu caminho.
Assim foi na Maia, obtendo o silêncio cobarde de Soares Dias e de vários outros ameaçando as suas famílias. Assim foi no Estoril abrindo rachas, invadindo recintos, pagando milhares de euros, comprando quem quiseram. Assim foi na pocilga draconiana, agredindo Pizzi. Assim foi em Fafe ameaçando de morte o pai de Jorge Ferreira e o próprio. Assim foi nos talhos vandalizados de Manuel Mota. Assim foi em Lisboa, avisando sorrateiramente Fontelas Gomes. Assim foi com o roubo de correspondência privada, validado vergonhosamente por um juiz?!?, desautorizado e colocado de rastos posteriormente por três desembargadores. Assim foi com os coniventes do fôsso do lagartêdo, cúmplices numa onda de criminalidade sem precedentes que tem varrido o futebol. Assim foi com uma série de profissionais de baliza que largaram as luvas e produziram mãos de manteiga. Assim foi com outros que deram de bandeja vitórias trapaceiras ao grémio da fruta. Mas muito mais houve, relembrando os tempos tenebrosos do Apito Dourado. Muitos desses criminosos ressuscitaram e reforçados com bandidos comunicacionais e demais pandilha dos novos tempos actuaram e continuam a actuar impunemente.
Sim! O crime desta vez compensou. Eles são os vencedores do campeonato dos criminosos, o campeonato de 2017/18.

GRÃO VASCO

17/18, a liga dos criminosos



Na Palermo portuguesa há foguetório comemorando o campeonato dos criminosos. Gangsters à solta fazendo o que querem e lhes apetece. Macacos, chiquelhos e restante quadrilha do submundo do Apito Dourado. A impunidade campeia e a justiça continua a assobiar para o ar…
Jogos sujos, campeonato sujo!
O primeiro lugar ocupado pelo grémio da fruta corrupção & putêdo é uma das maiores fraudes de que há memória no futebol luso.

Na próxima e última jornada falaremos do 2º lugar!

GRÃO VASCO



3.5.18

O candidato e o ‘culambista’



Tudo era uma questão de tempo.
A telenovela [O candidato e o ‘culambista’], protagonizada por Rui Gomes da Silva e por um tal de “shadows” do blogue novo geração benfica iria, mais tarde ou mais cedo, ter um desfecho previsível.
Aquele que, desmedidamente ambicioso, queria ser o segundo do presidente do SL Benfica e que levou com uma simples nega bem à moda de LF Vieira, lá terminou hoje a sua birrinha com um brado no Estoril Open – sou candidato!

Já há muito que a sua conduta revelava que não resistiria às suas tendências de troca-tintas. Andou uma eternidade a cantar loas ao seu presidente com promessas de que nunca se candidataria contra ele, para em velocidade acelerada e aproveitando a embalagem da descida do Benfica, ferrar contínuas alfinetadas em alguns dos seus ódios de estimação, contra os quais, até agora, só conseguiu uns míseros arranhões, recorrendo como sempre, em momentos delicados, às dúvidas, suspeições, mistérios e adivinhas que infelizmente têm sido a sua imagem de marca.

Alinhou pelo bando do bota-abaixo. Um bando para o qual nada está bem no Benfica. Esse bando tem alguns rostos e um deles tem sido, desde que o blogue ‘novo geração benfica’ foi renovado, o de um indivíduo doentia e obcecadamente persecutório em relação ao presidente do SL Benfica e sua Direcção.
Esse execrável fulano, que inventou o vocábulo “culambista” que não existe no diccionário português, tem o nome artístico de “shadows” e nada melhor que a sua invenção para o epitetar a ele próprio.
Ele sim, um “culambista”, neste caso de Rui Gomes da Silva. Um actor meramente secundário a quem o candidato agradece mas que fará com ele o que faz com um preservativo – usa e deita ao lixo!

A minha pesquisa sobre esse não-vocábulo trouxe-me o seu "verdadeiro" significado. “Culambista” quer dizer “lambe cú”. Pois nem de propósito. Quem é que tem lambido melhor o cú a RGS, quem é? Tinha mesmo de ser essa alimária do bota-abaixo, o famigerado “shadows”.

Meus Caros Benfiquistas, lamento que num momento que deveria ser de união e contenção, haja gentalha como esta a malhar no Benfica, de um modo tão soez. O ‘culambista’ fá-lo sem o mínimo de pudor, insultando as Gentes do Benfica de escroques e outras coisas mais. E RGS a besuntar-se no chafurdo…
CHEGA!


GRÃO VASCO

2.5.18

Benfiquismo d’excelência



Este é um post de gratidão ao prof. José Jardim.

Desde muito jovem que acompanho o voleibol do Benfica, e a seguir ao futebol é a modalidade que mais me fascina, com a particularidade de ter presenciado no único pavilhão desportivo existente ao tempo, na minha cidade, já lá vão mais de quarenta anos, uma grande vitória do Benfica sobre o grémio corrupto azul e bronco – um marco que ajudou a consolidar essa minha paixão inexplicável que é “Ser do Benfica”!

Depois, sempre segui com muito interesse o percurso mais recente do Benfica e do Homem que ficará sempre e profundamente ligado ao nosso voleibol e que pela sua dedicação, capacidade técnica, profissionalismo e liderança, e acima de tudo pelo seu Benfiquismo, merece não só o respeito e admiração de todos os Benfiquistas, bem como uma grande e sincera homenagem – o prof. José Jardim.

Já com o seu prestígio consolidado como treinador e líder do voleibol Benfiquista, tive oportunidade de lhe dizer duas breves palavras na recente final da Supertaça, realizada no pavilhão do INATEL em Viseu, em ganhámos brilhantemente por 3-0 ao rival dessa altura, o Fonte do Bastardo:
- força prof., o senhor é um Campeão e terá sempre o nosso apoio!

Um Senhor, um Desportista, um Benfiquista!
Muito Obrigado, Caríssimo prof. José Jardim!
… E fique! Fique sempre, porque é de Benfiquistas da sua cêpa que o Benfica e toda a sua massa adepta precisa sempre!


GRÃO VASCO
 







PS - Quero aqui vincar o meu repúdio sobre alguns comentários que tenho visto na net, em especial num blogue merdoso, pretensioso benfiqueiro e cujo autor assina “papoila saltitante” - um indigente mental que há muito deveria estar internado num hospício qualquer - em que se pede já há algum tempo a substituição do prof. José Jardim.
Para esse bandalho, que não tem feito outra coisa que denegrir tudo e todos no Benfica vai o meu desejo expresso de mandá-lo para a pqp!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...