29.5.17

A barraca do vídeo-árbitro no Jamor…


A realidade é esta e ninguém a pode negar.
O vídeo-árbitro não é um vídeo. São dois árbitros que emitem a sua opinião baseada nas imagens televisivas em repetição.
A subjectividade e a dúvida estarão sempre presentes, mesmo nos lances dos off sides. Só no caso de o esférico poder ou não ultrapassar a linha de baliza é que a definição será totalmente esclarecedora.

A introdução urgente do vídeo-árbitro, tão apregoada pelos pseudopaladinos da verdade desportiva – até foi feita uma aliança espúria das gajadas do lagartêdo e do putêdo - já começou a fazer os seus efeitos, mas neste primeiro caso, em claro prejuízo do Benfica pela falta de coragem demonstrada por Jorge Sousa e Artur Soares Dias para alterarem erros crassos - pelo menos dois penaltys por marcar contra o Vitória de Guimarães - do árbitro do desafio, Hugo Miguel, branqueando assim uma decisão que mereceria da parte do tal “vídeo-árbitro”, imediata correcção.
Relembro, para os mais “ceguinhos”, que Jorge Sousa há um bom par de anos marcou uma grande penalidade em Aves, num Desportivo das Aves-Benfica, em que Karagounis, dentro da sua grande área junto à linha de fundo foi penalizado exactamente por ter caído e na queda ter tocado no esférico com o braço com que se apoiava no relvado. Mas desta vez, Jorge Sousa, “tá queto”!.......

Pois bem, se em vez desta dupla fascinante de apitadeiros estar algures – em local não revelado pela FPF – estivessem com a sua tia-avó, muito possivelmente veriam, tal como ela viu, a grande merda que Hugo Miguel andou a fazer durante todo o jogo da final da Taça de Portugal, em notório prejuízo do Benfica.

Mas tudo cantou hossanas ao vídeo-árbitro. Desde os papagaios da classe política até Duarte Gomes n’A BOLA de hoje, em que de uma forma que eu considero corporativa e desonesta intelectualmente, tentou por todos os meios justificar o injustificável. A defesa obcecada por esta inovação tecnológica tem destas coisas, mas quando suceder o contrário e o feitiço se virar contra o feiticeiro ou seus aprendizes, não venham com as tretas de que para além do vídeo-árbitro também terá de haver necessidade de usá-lo segundo as conveniências de circunstância.

Ora porra para o vídeo-árbitro!


GRÃO VASCO


O melhor jogador da final da Taça...



Uns disseram que foi o Salvio do Benfica, outros alvitraram o Gaspar do Vitória de Guimarães, quando instados a pronunciarem-se sobre o melhor jogador da final da Taça de Portugal, edição 2017.
Opiniões são o que são, nada mais do que isso.
Por isso e depois de rever o filme de ontem ao fim da tarde, no Jamor, tive de, lamentavelmente, escolher Hugo Miguel como o protagonista-mor de uma fita que me lembrou outros tempos.
Bem poderia titular a película de “O Salteador falhado do Jamor”, ou mesmo “Um ladrão à solta no relvado e mais dois na carrinha do vídeo-árbitro”, tais foram os malabarismos que aconteceram naqueles noventa minutos carregados de falta de isenção.

Comecemos pelo fim.
O desejo de Hugo Miguel esteve bem patente na forma como deu o jogo por terminado. Fê-lo com o descaramento próprio de alguém que se sentiu impune e bem escorado pelas entidades respectivas. O penúltimo lance da partida, em que Samaris nem sequer toca no adversário, permitiu que HM marcasse um derradeiro livre a favor do V.Guimarães, com o objectivo de a bola sobrevoar a grande área do Benfica à espera de uma cabeçada ou pontapé milagreiros que enfiassem a bola na baliza, proporcionando assim um empate que prolongaria o jogo e retiraria a possibilidade dos Benfiquistas ganharem logo ali o troféu e sabe-se lá, de o perderem definitivamente. O destino quis que assim não fosse e bastou Ederson ter agarrado firmemente o esférico para que essa “luminária” do apito desse por terminado o encontro.
Esta cena, de um filme dejá vu, desde os tempos do famigerado Apito Dourado, foi o culminar de uma prestação deplorável, absolutamente vergonhosa de Hugo Miguel, em tudo semelhante àquela que em Paços de Ferreira proporcionou o último título aos morcões da Palermo portuguesa, quando transformou uma queda solitária e simulada de James Rodriguez fora da área em penalty e expulsão do defesa pacense, oferecendo-lhes de bandeja o primeiro golo, decisivo para uma vitória absolutamente necessária.

Desde o início que a falta de isenção foi gritante. A agressividade que os jogadores vimaranenses colocavam em cada jogada, em muitos casos à margem das leis do jogo, foi completamente ignorada por Hugo Miguel que de uma forma ostensiva fechou os olhos a empurrões, a agarrões, a agressões, a truques e violência que ao longo da primeira parte do desafio garantiram um equilíbrio no marcador. Tudo isto a par de uma xaropada à minhota que até provocou que dois jogadores do Vitória, sozinhos, rasgassem as suas massas musculares, tal a impetuosidade patenteada.
A jogada que arrumou Fejsa - Marega parecia mais um toiro desembolado a galope e à solta pela arena fora - foi o exemplo mais evidente de que aquelas correrias doidas e lances a rasgar, roçando o violento, teriam sempre o beneplácito e a complacência de HM.
Foi incrivelmente vergonhoso. A dualidade de critérios foi bem evidenciada na forma como começou a exibir os cartões amarelos. Grimaldo foi a primeira vítima, depois de todo aquele espectáculo dado por Hernâni num lance em que o jogador do Benfica até se encolheu. HM, exibicionista, mostra-lhe sequencialmente três dos seus dedos, como que lhe dizendo que já tinha sido reincidente três vezes. Mau, muito mau, tudo aquilo que se ia passando ao longo da primeira parte do jogo.

Veio a parte complementar e com ela os dois golos madrugadores do Benfica. Depois, a gestão do jogo por parte do Benfica, com os seus jogadores a desperdiçarem oportunidades para uma goleada histórica. Jogo controlado, jogo acabado.
Mas não, não foi assim. O tridente arbitral não quis ficar de fora do jogo e mandou o vídeo-árbitro às malvas quando Josué, inadvertidamente faz penalty por mão na bola e Hugo Miguel, após uma pausa, gesticula, como que dizendo “no passa nada, siga a rusga…”

Por fim, já com o tempo a escassear, o Vitória de Guimarães lá marca o golo da esperança. E aí, sim. Aí vimos Hugo Miguel em todo o seu esplendor a empurrar o Benfica para trás, inclinando o campo o melhor que pôde e soube. O destino estava traçado e o Benfica soube aguentar aquela pressão final do melhor jogador em campo – Hugo Miguel.

A azia foi imensa. O Benfica continua a vencer e a convencer, e isso incomoda muita gente. Nas TV’s, os tadeias e os pratas, lagartos frustrados desta vida, bolçaram azedume em barda. Nas rádios, locutores, comentadores e relatadores quase todos a mesma merda. Até borracholas de outros tempos, alguns que se dizem benfiquistas?!?, diziam que não tinha sido nenhum espectáculo por aí além, que o futebol exibido pelo Benfica ao longo da época não foi do melhor, assim, assado, frito e cozido. É sempre assim quando o Benfica ganha. Mas o pior de tudo isto foi quando já à noitinha, em frente à pantalha, vejo e oiço aquela avantesma intelecto-piramidal de um Gobern qualquer, dizendo que Hugo Miguel tinha feito uma boa arbitragem. O imbecil do guedes sorriu e agradeceu…

Mas a Taça, essa já cá mora. Tudo o resto são as carpidelas costumeiras da escumalha anti-Benfica.


GRÃO VASCO


27.5.17

Ó Guedes, põe-te a pau!



“Français, François, Francelos, Francelina, para mim é tudo o mesmo. O que eu me quero livrar é daquele saco de gatos, no fôsso do lagartêdo, onde estou metido!...
Até posso levar a antiga mala de cartão da Linda de Suza e mais uns folclórios que já nem me importo…
Tirem-me daquele filme, onde há um gajo que bate com as nádegas uma na outra todos os dias, mais um bombeiro incendiário, um anão côxo e um pigmeu analfabético-jornalístico que é cem vezes pior do que eu a comunicar…”
E aqui para nós, os peaners franceses e o galo em vinho (coq au vin) são bem melhor do que aquelas caldeiradas de carneiros à Belfodil

Ó Guedes, põe-te mas é a pau, porque por este andar vais ter de nascer mais nove vezes para seres titular no Paris St-Germain!



GRÃO VASCO


25.5.17

O cuspe, esse malandro…



Sem comentários…


GRÃO VASCO




24.5.17

O novo “look” da Águia Vitória…



Em Moreira de Cónegos a escumalha dos supercabrões do futebol canelas do porto, vulgo fruta corrupção & putêdo, confundiu um drone com uma águia e começou a cantar o infame estribilho “ai quem me dera que o avião da Chapecoense fosse do Benfica”.

No fim do jogo aquele bando de desdentados ainda se interrogava como é que uma águia dispõe de quatro hélices na horizontal e segura bem nas garras o 36…


GRÃO VASCO



22.5.17

O “chef” das caldeiradas



Cada vez que o “mestre da táctica” abre a boca é a risada geral neste país futeboleiro.
Mas chef é chef, e não há dúvidas que “cozinhados” é com ele. O problema é que azedam depressa, especialmente as caldeiradas.


GRÃO VASCO

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...