3.12.16

A noite em que Vasco Santos ressuscitou o Apito Dourado



A nomeação deste apitadeirozito da associação de lourenço pinto – uma eminência parda que teve durante muitos anos a arbitragem nacional na mão - para o jogo do Benfica na Madeira contra o Marítimo, não augurava nada de bom. Escrevi-o no post anterior. Eles estão vivos e bem vivos. Que ninguém o esqueça. O conselho de arbitragem, acolitado por um malabarista que preside à APAF, tem sido maquiavélico nas nomeações dos apitadeiros para os jogos do Benfica, especialmente nas partidas disputadas fora da Luz. Em casa, ilustres desconhecidos, godinhos e afins, para disfarçar o verdadeiro intento, pois o clima agreste que se vai vivendo, e a crispação constante, estimulados por uma comunicação social espúria de uma sacanice anti-benfiquista deplorável, pode a qualquer momento proporcionar um deslize que tenha como consequência a perda de pontos. Aconteceu na Madeira, como bem poderia ter acontecido noutro jogo fora de portas.

Vasco Santos ressuscitou esta noite o Apito Dourado, no estádio dos Barreiros. Só faltou uma pequena exibição de prostitutas brasileiras servindo "fruta" à descrição. Façamos votos para que só tenha sido esta noite. Pois ainda teremos Guimarães, Braga e por aí adiante, na campanha do Norte.

Desde muito cedo que Vasco Santos demonstrou ao que vinha, ao pactuar com a violência gratuita dos ilhéus, fazendo tábua rasa das leis do jogo, apitando manhosamente, impedindo que o jogo fluísse e fazendo vista grossa a uma série de jogadas sempre em prejuízo do Benfica.

Nelson Semedo é derrubado dentro da grande área do Marítimo.
Vasco Santos fechou os olhos e sonhou com o Apito Dourado.
Salvio é derrubado na grande área do Marítimo.
Vasco Santos absorve o ar fétido do Apito Dourado. Cheira-o num acto de puro revivalismo.
Dois flagrantes penaltys por marcar. À descarada e em forma de fruta e café com leite. Estes são para enviar ao peidorreiro do Freixo, como bombas de oxigénio, para se manter na luta.
Ederson é impedido de sair à bola na marcação de um canto contra o Benfica. Cabeçada e golo do Marítimo. O 2º dos da Madeira.
Vasco Santos suspira de alívio.
“Já está! Já não ganham! Bendito Apito Dourado! Na Palermo portuguesa não poderão queixar-se de mim quando na rua for abordado pela corja da fruta”.
Deitem-se, porra, simulem lesões, carago! De que é que estão à espera? Agora é esperar que o tempo passe depressa!
10 minutos de farsa com jogadores do Marítimo espolinhados no relvado queixando-se de nada, para além das substituições em que esses mesmos jogadores conseguiram atravessar o campo de um lado ao outro para saírem. Sob a complacência e cumplicidade da equipa de arbitragem, incluindo o quarto apitadeiro.
Tempo para descontos? Seis minutos!
Vasco Santos observa, impávido e sereno à espera que o tempo passe.
Já não me recordava de uma bandalheira assim.

O capo da Palermo portuguesa rejubila, relincha. É caso para isso. Na verdade só assim é que consegue chegar-se à frente. Se se chegarem. Vamos ver amanhã…

O meu lamento para alguns blogues Benfiquistas que li, comentando o ocorrido nos Barreiros. Como o Red Pass ou A Travessa do Alqueidão, ou o inenarrável bastardo shadows do novo geração benfica, por exemplo. Acho que esta gentinha que se julga alguém na vida, não é digna de ter um Clube, uma Equipa de futebol, Jogadores e Técnicos, como o Benfica tem. Para estes perfeccionistas de merda, relembro-lhes que foi por causa dessas vaidades que os transformam em críticos avulsos, que andámos a penar durante trinta anos. Há que exigir, sim senhor. Mas as exigências e as críticas que fazem em momentos de derrotas forjadas pelos vascos deste mundo, têm limites. Falhar todos falham, mas hoje foi-se muito para lá dos falhanços que fazem parte do jogo.
Vasco Santos provocou asco, só. Um nojo. Descarado e abusador perante milhares que visionaram o desafio. Mas este é dos que não tem nada a perder. Internacional e futuro na carreira é coisa para outros.
Espero que com ele tenha levado o Apito Dourado consigo e de vez. Ele que ainda é um dos resquícios desses tempos.
O cerne da derrota mora em Vasco Santos e no seu ensaio, mais um, sobre o Apito Dourado.
O Benfica jogou e fez o mais que suficiente para ganhar o jogo.
Vasco Santos não quis.
“Fomos parados de várias formas esta noite” – o grande capitão Luisão resumiu tudo o que aconteceu nesta simples mas marcante frase.


GRÃO VASCO


4 comentários:

Anónimo disse...

e o empurrão ao Mitroglou mesmo no fim do jogo, não é dentro da grande área? parece-me que sim.
os jogadores sentiram bem o que aconteceu, 3a e domingo é só vitórias.
domingo é o jorginho de sousa, não te esqueças...

Anónimo disse...

Concordo com tudo. Pelo menos dois penalties por marcar, vários amarelos perdoados, alguns sem falta sequer, aos jogadores do Marítimo. O segundo golo do Maritimo... enfim... é o vale tudo. Este ano, se as arbitragens estivessem isentas, estavamos já com mais pontos e iriamos cilindrar o Porco e o Spititng! É disso que eles têm medo.

— O Sonho de Damião —

Anónimo disse...


Alguém disse:


E não é por mero acaso que o PORCO-CORRUPTO numa sua intervenção, ontem, logo o terminus do jogo, numa das Pocilgas de Cedofeita, Grunhiu: " Neste momento há festa na madeira". Ora aí está, ELE sabia bem o que tinha encomendado ao apitadeiro do jogo, por isso e COMPROVADAMENTE houve encomenda e o resultado estava feito, o Benfica não podia ganhar e pelas incidências do jogo, conforme ele decorria via-se o que o apitadeiro queria fazer o que FEZ, pois ele é dos que cumprem e bem à voz do dono, por isso INCLINOU estrategicamente o jogo e o campo e os jogadores e o Treinador do Benfica DEVERIAM antes do jogo programado tais intenções que em campo se comprovaram, o Benfica era obrigado a jogar contra duas Equipas em Campo, sendo que uma deles tinha e teve a coragem de fazer o que lhe apetecesse e fê-lo em detrimento do Benfica, assinalando faltas aos jogadores do Benfica, quando ELAS era cometidas pelos adversários e transformar grandes penalidades em faltas contra o Benfica, deu para tudo, além das entradas violentas e jogo constantemente às margens da lei por parte dos insulares. Será que não faltou o Café com leite, os Chocolatinhos e a famosa FRUTA ???!! Se não houve pareceu, porque a sua atuação foi condizente com aquilo que aconteceu nos tempos áureos do tenebroso apito dourado.
Mau demais para ser verdade, mas aconteceu, espero que não volte, mas como isto está, estas cenas vão-se repetir, porque como se viu o SISTEMA não dorme. Vem aí o jogo na NOSSA CASA contra aqueles que querem e têm desestabilizado, conjuntamente com os Javalis, o futeluso, esperam-se portanto que ELES agravem a situação sobre a arbitragem colocando pressão e outras Coisas que deveriam ser INVESTIGADAS pelo MP e PJ, portanto vamos esperar e ver o que acontece. O Benfica e os Benfiquistas não querem, não desejam que a Arbitragem os ajude, mas não os Prejudiquem, não os Roubem, e somente que cumpram as Regras do jogo contra tudo e todos e não somente para quem é ou veste de VERMELHO e com o Sibolo do Glorioso ao peito.

Luís Fiúza disse...

Meu "amigo" de infância. Posso confirmar tudo o que foi dito. Espumava quando falavamos do Benfica. Só está na arbitragem porque o seu amigo Artur Soares Dias (melhores irmãos...) o quis.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...