18.7.11

As "Calheiradas" e o 18 de Julho de 1995

“Amorim, José Amorim. My name is Carlos Calheiros”



Já lá vão dezasseis anos!
Hoje é segunda-feira, 18 de Julho de 2011, data comemorativa de uma efeméride que tem tanto de incontornável como de tão actual.
Por tudo o que ela representou e ainda representa para a vergonhosa história do futebol português dos últimos trinta anos.

O episódio é conhecido, mas os ditos jornais independentes, como são o caso de “records”, “os jogos” e outros, atiraram este e outros escândalos para as calendas gregas. Por nós, nunca serão esquecidos. Uma história rocambolesca que a rede tentacular ao serviço do Fruta Corrupção & Putêdo, vulgo fcp, e o próprio protagonista, tentaram abafar e branquear com procedimentos ridículos à posteriori.

Carlos Calheiros, José Silvano, José Guímaro, Rosa Santos, Donato Ramos, Isidoro Rodrigues e muitos, muitos outros, foram algumas das primeiras sementes de uma fornada que proporcionou um palmarés vergonhoso, infame e trapaceiro, de vitórias e títulos cozinhados e adulterados, ao clube condenado por corrupção, vulgo fcp.

Depois vieram mais. Martins dos Santos, Jacinto Paixão, Augusto Duarte, e todo o nojo do Apito Dourado.

As coisas agora estão mais refinadas, mas a badalhoquice é a mesma.
Vejamos só, a homenagem cirúrgica do ex-gollum das prisões, a eminência parda do clube condenado por corrupção, no início da época passada – o primeiro sinal de que a teia estava viva e um sério aviso da Irmandade da Fruta a apitadeiros e auxiliares - a cardinais, ovigários e outros mais.
No que deu?
Deu-nos no mínimo, aquele roubo de igreja em Guimarães, à quarta jornada, que nos pôs a nove pontos da liderança, e o afastamento total em Braga, com a escandaleira que foi a expulsão seguida de livre e golo do adversário, tudo assinalado por um fiscal-de-linha que só falta ir com a foto do padrinho da Irmandade na camisola interior e enfarpelado com cachecol azul anti-Benfica para dentro dos relvados.

Mas Cosme Machado, Pedro Proença e Olegário Benquerença e mais tarde Carlos Xistra, cumpriram bem. As primeiras quatro jornadas da época passada ficarão para sempre como uma mancha vergonhosa na carreira destes descarados apitadeiros. Depois, Marco Ferreira e o grande El Mano, dois madeirenses com o seu nojento bailarico, seguidos de Bruno Paixão, João Capela, Nuno Miguel e acabando no intragável Paulo Batista. O elenco do farwest do apito tuga não ficaria completo sem o incompetente João Ferreira e o bando dos quatro de Palermo.
No entanto, tenhamos em atenção que das fornadas novas, a norte, Artur Soares Dias – este para mim é o mais habilidoso e manhoso do bando dos quatro da associação de Lourenço Pinto - Vasco Santos, Rui Costa e Jorge de Sousa garantirão pelo menos, por mais uma década a continuidade desta espécie nefasta. Juntem-se-lhe Cosme Machado e mais uns que por lá andam e lá vai ser o mesmo fadário este ano.

Queria pois, nesta data, deixar ficar também a minha contribuição através de um cartaz de cinema para futuro filme baseado em factos reais e inesquecíveis, passada que é mais de uma década e meia da célebre ocorrência e cujo título poderá bem ser,

“Amorim, José Amorim, My name is Carlos Calheiros”



Segue artigo de Leonor Pinhão no Jornal A Bola em Julho/2005




Neste mês de Julho passam 10 anos sobre a viagem de Carlos Calheiros ao Brasil , um rocambolesco episódio justificado por «lapsos» no debitar de facturas.

Para os amnésicos compulsivos.

No próximo dia 18 de Julho faz dez anos que o árbitro Carlos Calheiros, da Associação de Viana do Castelo, embarcou para o Brasil na companhia de familiares, para um justo período de férias repartidas entre o Othon Palace do Rio de Janeiro e o Hotel Sheraton do Recife. A factura da viagem e da estada da família Calheiros foi debitada pela Agência Cosmos ao FC Porto. Por lapso, como mais tarde viriam a explicar o próprio árbitro, o clube e o operador turístico. A efeméride merece ser celebrada por todos os que se preocupam com a causa da arbitragem nacional neste momento em, que passada uma década, se volta a discutir se os juízes de campo devem ser sorteados ou nomeados para dirigir os jogos da Super Liga. A data deve ser lembrada com insistência na face de todos os amnésicos compulsivos para quem, subitamente, os árbitros se transformaram na escória do futebol português. Só porque o Benfica conseguiu, ao cabo de onze anos, conquistar o título de campeão nacional? O episódio é, por ventura, o mais rocambolesco e o mais exemplificativo de uma época dourada em que os árbitros eram o máximo e só se queixavam dos árbitros os maus perdedores, os invejosos e os passarinhos. Celebremos, então, entusiasticamente o décimo aniversário da viagem de Carlos Calheiros ao Brasil. Foi a SIC quem trouxe o caso para a praça pública, a 1 de Novembro de 1996, e no dia seguinte os jornais desportivos e generalistas não tiveram outro remédio senão dar seguimento ao assunto. «Calheiros, engenheiro de profissão, viajou ao Brasil em Julho de 1995, na companhia da sua mulher e filha, e a factura da deslocação, da agência Cosmos e no valor de 761 contos, apresenta o FC Porto como a entidade a quem deveriam ser debitados os custos das férias. Estranha é também a forma como o ex-árbitro é identificado na factura. O seu nome completo é José Carlos Amorim Calheiros, e no documento aparece como José Amorim», lia-se no «Público». Calheiros reagiu ameaçando com a Justiça. O árbitro, em declarações ao «Independente», clamou e reclamou pela sua inocência: «Vou pôr a Cosmos e o FC Porto em tribunal, por difamação e abuso da minha boa fé. Limitei-me a aceitar uma viagem da Cosmos e agora aparece isto.» Mas a história da viagem de Carlos Calheiros ao Brasil não se ficou por aqui. De acordo com declarações de «um vice-presidente do FC Porto» ao «Público» o imbróglio terá tido início quando o ex-árbitro contactou o clube das Antas para que «o FC Porto, atendendo ao facto de ser um cliente habitual da Cosmos lhe conseguisse um preço especial». «O próprio Carlos Calheiros foi depois à Cosmos tratar das formalidades e, mais tarde, pagou ao FC Porto», acrescentou o anónimo dirigente portista. Esta versão foi confirmada pelo administrador da agência de viagens, António Laranjeiro: «Carlos Calheiros falou com o FC Porto para usufruir das condições especiais que a agência concede ao clube e acertou as contas posteriormente com o clube.» Calheiros apresentou uma perspectiva diferente do assunto: «Informei a Cosmos de que lamentava que, abusivamente, tenha feito seguir para o FC Porto as facturas e os recibos de uma viagem que eu pensava que me tinha sido oferecida e exigi que seja feita a emissão do recibo, que eu sempre pedi e que nunca me foi dado, para que possa liquidar a dívida.» O «Independente» revelaria que na sequência da investigação da SIC, o ex-árbitro terá recebido uma carta do FC Porto, assinada por Diogo Paiva Brandão, director-geral do clube, confirmando que a factura estava contabilizada nas contas do FCP com o número 4144, com a data de 18 de Julho de 1995 e que foi liquidada pelo FC Porto à Cosmos. O semanário teve acesso a esse documento e transcreveu-o: «[a deslocação ao Brasil] foi indevidamente debitada ao nosso clube. Na realidade, devido ao facto de a factura ter sido enviada num conjunto de diversas outras, passou despercebida aos nossos serviços e não foi detectada a irregularidade da sua emissão. Por isso, e dado que o clube já liquidou, por lapso, o respectivo montante à agência de viagens, convidamos Vossa Exª a liquidar de imediato o valor, em escudos, de 761.713, nos nossos serviços para podermos considerar o assunto encerrado.» A verdade é que o assunto ficou mesmo encerrado. Foi esmorecendo nas páginas dos jornais, das ameaças de tribunal nunca mais ninguém ouviu falar, da presumível investigação da Polícia Judiciária também nunca mais ninguém ouviu falar e tudo leva a crer que Carlos Calheiros tenha, finalmente, pago a viagem que julgou ser uma benfeitoria desinteressada e tenha ainda hoje, em sua casa, emoldurados o recibo e a factura desses dez dias no Brasil. Tudo não passou de um lapso. Ou de vários lapsos, se quiserem. Nenhuma organização é perfeita. Era tudo boa gente. Ai que saudades, ai, ai.

Artigo de Leonor Pinhão no Jornal A Bola em Julho/2005


GRÃO VASCO

3 comentários:

Anónimo disse...

perfeito

e com oportunidade.


na turquia

entalavam-se

Águia Eterna disse...

País, País???????!!!!! País não, isto é uma QUINTAROLA dominada por CORRUPTOS PROFISSIONAIS, e em que os governantes são uns COVARDES e incapazes de meter um CORRUPTO MEIO chéché na CADEIA.
Como habitante do planeta Terra tenho actualmente mais resoeito e consideração pela Turquia do que desta QUINTAROLA dominada por trafulhas e corruptos de carreira.

Viva a Turquia.

VIVA O BENFICA, Sempreeeeeeeeeeeeeeeeeeee.

Manuel disse...

Lapso, hein? Pensam que s pessoas são parvas. Então porque escreveu outro nome no bilhete? Foi para variar? Aliás ficou provado que o bilhete foi pago pelo Porto e que o Calheiros nunca o pagou. Para além disso, houve outros árbitros que receberam viagens para outros destinos. Ainda há pouco tempo o Jacinto Paixão o disse. E não foi a única viagem do Calheiros paga pelos mesmo. Houve mais.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...