2.12.14

Ignaro de Jesus e a ‘Peaners & Co.’



Quando Ignaro, filho do veterano Virgolino e alfacinha de gema, transformou umas simples alcagoitas importadas do Bangui, capital da República Centro-Africana e de diversas plantações do Burkina Faso, em deliciosos peaners e numa nova e saborosa manteiga de amendoim de qualidade muitíssimo superior àquela que tinha sido utilizada por Marlon Brando na escaldante e penetrante cena de rectaguarda com Maria Schneider no célebre filme “O Último Tango em Paris”, ninguém ousou afirmar que a “Peaners & Co.”, multinacional portuguesa de transformação de alcagoitas e com a mesma designação do seu principal produto, fundada e gerida por este singelo cidadão da Amadora, iria ser um rotundo fracasso nacional e internacional. Antes pelo contrário, as expectativas não saíram goradas e tudo se tornou num especialíssimo case study, que curiosamente tem sido alvo de uma investigação profunda pelos maiores especialistas norte-americanos em marketing e vendas.

 

Ignaro, um self made man que se fez à vida e lutou por ela, olha hoje e após um quarto de século de árduo e perseverante trabalho, para a sua Cia., como a sua cereja, ou melhor, como a sua alcagoita no topo do bolo. “Uma verdadeira obra de milhões com nota artística”, como ele costuma dizer com alguma insistência para os gaviões dos seus bastidores, ou quando em dia de folga, bate na mesa a bisca de trunfo em jogo de sueca entre os seus amigos de bairro.

Só este ano, em volume bruto, foram cerca de quatro milhões de euros, mais as alcavalas em relação aos prémios de produção.

Com uma força e um convencimento “convencido” que demovem montanhas, contra ventos e marés, com disputas verbais e gestuais acaloradas, soube granjear a simpatia de alguns, sendo para outros um figadal ódio de estimação. Mas ainda assim e através do seu “empirismo científico” (não, esta doutrina não é nenhum achado filosófico, a partir do momento em que ouvi este fim-de-semana num congresso partidário, um reitor de uma universidade falar em “democracia democrática”, mas lá que assenta que nem uma luva a Ignaro, lá isso assenta!…) conseguiu obter o reconhecimento dos seus méritos pelo “Farronca da Choupana”, o “Azelha de Sacavém” e mais uns quantos bonifrates, que têm vindo a engalfinhar-se para conquistarem a sua cota no mercado interno. Certa comunicação social é que não lhe perdoa enquanto ele ocupar o lugar e o estatuto que ostenta actualmente com muito orgulho, vaidade e até um pouco de arrogância ou qual ave imponente quando abre aquelas asas gloriosas. Mas, como ele diz, os números não mentem e esses não podem ser contestados.

 

A própria faculdade de motricidade humana da capital, endereçou-lhe um convite formal para uma sessão extraordinária em que o “Catedrático das Alcagoitas”, como logo passou a ser conhecido no meio académico, perante uma atenta e numerosa audiência, acabou por dar uma autêntica lição de mestre, subordinada ao tema, “ ‘Peaners’ ou as alcagoitas na minha evolução científico-financeira, cultural e artística”. Atento, todo o corpo docente da entidade aplaudiu de pé a soberba intervenção de Ignaro, com destaque especial para um seu grande amigo, que é “tu cá, tu lá, pontapé na bilha” com ele, o seu consultor e compagnon de route de muitas lutas e disputas, o destacado epistemologista, professor Manolo Sérgio Rolha, já reformado, mas a pedir nova reforma.

 

A verdade é que a fama de Ignaro ultrapassou fronteiras e mesmo com um défice linguístico evidente, quer na língua-mãe, quer no inglês técnico e na sistematização e verbalização das suas ideias, particularmente nas múltiplas conferências de imprensa semanais, tem vindo a afirmar-se nos diversos fóruns europeus, onde não deixou os seus créditos por mãos alheias, participando, sugerindo e propondo, interagindo com especialistas da sua igualha e encontrando no prof. Barnabé Pillas-Tortas - outro sucessful man e seu adversário intramuros, radicado há poucos anos na cidade russa de S. Petersburgo - um poderoso e fantástico aliado para fazer vingar as suas revolucionárias teses, que por mais paradoxal que pareça, no mano-a-mano, têm tido muito mais eficácia e melhores resultados práticos com o professor-imigrante do que com o próprio Ignaro, conforme a própria estatística o indica. Tem também lançado e descoberto alguns talentos, mas tem tido algumas dificuldades, em especial com o seu discípulo Olanjón, que até à data tem andado literalmente à cata das alcagoitas pelos relvados fora.

 

Ignaro é um dos casos mais incríveis e desconcertantes no seu competitivo meio. Desde muito jovem que não recorre ao papel e ao lápis para fazer as suas contas de mercearia - foi sempre mais pontapé na “chincha” e… na gramática… - e hoje, teimosamente, nunca usa máquina calculadora nas exigentes operações no seu dia-a-dia de trabalho. Assim se tem mantido em primeiro lugar no ranking interno, muito à custa dos “espíritos santos de orelha” dos seus assessores e da generosidade dos seus investidores. A nível europeu e depois de perder os seus concursos deste ano, mandou as contas às malvas, desconhecendo patèticamente o seu último lugar num restrito grupo de quatro competidores. Mesmo assim, tudo isso não lhe tirou o sono e só foram mais uns peaners “p'ro galheiro”, sem importância nenhuma, visto que este ano o que interessa, na sua óptica, é o mercado interno e aqui ainda há muita cota de mercado para ganhar…

 

“A ver vamos”, como diz o cego…

 

À ATENÇÃO DE JORGE DE JESUS.

 

 

 

 

GRÃO VASCO



1 comentário:

Frank disse...

Caro Grao Vasco desta vez o teu texo nao esta ao meu alcanse para responder de qualquer das forma o fazes sempre com brilhantismo,deixo aqui os meus cumprimentos e viva o Benfica.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...