9.2.19

Da arruaça ao monco caído…

De monco caído…


Da arruaça…


Os labregos azuis e broncos em todo o seu esplendor. O paradigma do país boçal. Primeiro a arruaça, depois o monco caído. Até as pedras da calçada choraram, os cães ladraram e os gatos miaram. A bazófia e as provocações habituais desembocam muitas vezes neste ridículo espectáculo. Pela boca morre o peixe. Contumil vive momentos de pavor com a perigosa aproximação da Moirama Vermelha. O pânico era indisfarçável nas declarações pós-jogo. Para eles, no pretérito domingo, Guimarães versus Alvalade seria com toda a certeza mais uma lufada de ar fresco na mentirosa e destacada vantagem que pressupunham vir a ter. Em tom provocatório e canino, ninguém ficava chateado se o lagartêdo ganhasse, a começar pelo carroceiro do Freixo. A realidade foi outra e já no final do jogo com o Vitória a arruaça instalou-se. Tinham falhado o assalto ao Castelo e os Diabos Vermelhos deram baile em Alvalade. Lançaram-se ao Rui Costa lá do burgo e zumba, catrapumba, apontaram-lhe de dedo em riste, responsabilidades e culpas como é habitual quando perdem pontos, debitaram raios e coriscos e por pouco que não o responsabilizavam pela lesão do maliano Marega – um poço de força que faz mais num jogo do que a sua equipa toda junta.

Ontem partiram para Moreira de Cónegos à espera que alguma missa celebrada pelo papa da Palermo portuguesa pudesse dar aquele empurrão divino. Tudo se conjugava nesse sentido. Fontelas Gomes a nomear, Jorge Sousa a apitar e Luís Ferreira a VAR. Os acólitos, durante a semana e segundo as “más-línguas”, desdobraram-se em contactos diplomáticos. Não era má ideia optar pelas práticas surreais adoptadas na época passada no Estoril. A boataria, com uma boa dose de veracidade à mistura, corria célere e até ao soar do gongo tive mesmo receio de alguma fífia despropositada e que algum cónego de Moreira fosse dizer amén com a padralhada de Contumil.  Não obstante Sousa & Ferreira terem fechado totalmente os seus olhos a um penalty escandaloso de Militão sobre Arsénio aos 73’ e ainda antes do 1-0 dos da casa, a barraca total esteve para acontecer. Por fim e depois de Luís Ferreira num estertor final desesperado ter enviado Jorge Sousa para o vídeo na secreta esperança que ele pudesse marcar penalty contra os Cónegos e assim “oferecer” mais três pontos ao grémio da fruta, só aconteceu meia-barraca e um trombil do tamanho da Torre dos Clérigos. Ivo Vieira suspirou de alívio – felizmente não teve lá nenhum guarda-redes, nem defesa-lateral iguais àqueles que no Estoril-corruptos da época passada (o jogo mais comprido do futebol mundial) – ofereceram três golos à mafia contumiliana e lá conseguiu, ainda que muito a custo e aguentando 100’ inexplicáveis de jogo, um empate que em condições normais seria uma vitória inapelável e bem conseguida.

A SPORT TV continua a presentear-nos com transmissões, reportagens e comentários em que pintam todas as imagens e comentários de um azul e branco asqueroso.
Ontem, para desculparem o penalty sobre Arsénio, cometido por Militão aos 73’, que negaram e omitiram durante e no final da transmissão, foram ouvir as “escarretas” do apitadeiro contratado – um incompetente que foi despachado a toda a velocidade do quadro dos árbitros, de nome sérgio piscarreta?!? – e a preocupação daqueles bandalhos foi o lance, já fora de horas, perto da grande-área dos Cónegos, deixando no ar a insinuação de que poderia ter sido falta para penalty. Uma vergonha, uma desonestidade intelectual que coloca esta estação televisiva ao nível de uma lixeira pestilenta ao serviço da reles rataria contumiliana.
Com o grémio da fruta a perder, só faltou a Luís Freitas Tonto e ao seu comparsa de locução, equiparem-se cada um com a sua camisola azul e branca feita do tecido das barracas de praia do Canidêlo e entrar em campo para empurrar a bola para a baliza dos Cónegos. Foi no mínimo hilariante e ridícula a forma como ambos se expressavam, estando constantemente a dizer “agora o porto tem a derradeira chance, blá, blá, blá ,blá”, pelo menos durante os quase 10’ extra com que Sousa massacrou o Moreirense na esperança que o D. Sebastião da Ribeira de Palermo com o macaco pela mão surgisse de qualquer banco de nevoeiro e viesse ainda dar os três pontos aos de Contumil.
O destino quis que não acontecesse assim.
Hoje é servido nas cantinas do Freixo e nos botecos de Contumil trombil cozido à moda conventual de Moreira de Cónegos.

No próximo jogo do grémio da fruta, Fontelas Gomes vai nomear como árbitro principal chico marques pirrolhas "barba azeda" (porto canal), árbitros-auxiliares, o pastelão de Contumil, manuel queirós (tbi 24) e o malandro de urinol, miguel guedes (sic n), 4º árbitro aníbal pinto (cmtv), VAR manuel serrão (tbi 24) e ajudante de VAR, pedro marques lopes (a bola). Para o policiamento sousa tavares (a bola) e o sargento jorge amaral (cmtv).

Tem a palavra amanhã, o Benfica.

GRÃO VASCO



Sem comentários:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...